quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Pra voltar .

A cabeça dói , os olhos quase lacrimejam por esperar.
Eram círculos que a mente fazia enquanto lia tuas letras , frases geniais em simetria.
Quando o amor vencia a razão, girava pra encontrar denovo
Subia as escadas correndo e o proximo trem nem era o seu .
As vezes aquela voz me puxava pra trás , querendo me fazer desistir: me condenou
Queria dar o troco ; fazer igual pra machucar também
Ri. Nós dois rimos.
E ninguém mais sabe do eu te amo, quase sussurrado, perdido naquelas risadas.
As vezes eu queria que o mundo desaparecesse , pra sermos mais livres.

Os quilômetros que separam , fazem ter horas contadas
O relógio é o pior inimigo
Mas transforma cada minuto em sabor palpável , concreto.

Segunda feira , tudo é música
Pareço boba olhando o retrato , querendo voltar , querendo estar
Um querer de quase devorar.
Me esconder na tua pele , desaparecer em você
Mas não é a sentença final : ' amor, não somos um par ' .


Um comentário:

Fabiane disse...

Nossa, delirante. E só.