segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Não me interessa.

A cabeça tinha voltado a doer , como de costume
Não sabe ao certo se é físico ou psicológico.
Talvez ela voltasse naquela loja e comprasse o vestido preto
Seria, sem dúvida alguma , uma bela cartada praquela noite .
Matemática estressa .
Assim como aquelas palavras vãs que ela insiste em repetir .

As fotografias na gaveta não tinham sentido
E era irritantemente inútil repetir que sem sentimento , não há boa imagem
Tua tecnologia não ajuda.
Me defendo de toda hostilidade com as letras e as músicas.
Os fones ensurdecem: cansei de te ouvir falar da vida alheia.

Ela diz que não o ama , mas faz de tudo pra vê-lo feliz .
Ele diz que não trai e morre de ciúmes
Os dois viram o dia clarear de mãos dadas , silêncio completa .

O começo da semana faz voltar a rotina forçada.
Provas ,
Pessoas ,
E tédio.
Eu queria ligar , mas ele me desligou sem nem dizer adeus .

3 comentários:

SILAS disse...

texto denso... cheio de vida... msm q fale d coisas frias... parece que fala sozinho, por si só...
só sei que sentir e expor é um dos maiores e mais pesarosos dons que se pode ter. Você expressa aquilo que salta com a beleza e complexidade de Clarisse... talvez nao devesse apenas fotografar...
palavras tb permanecem... assim como uma imagem gravada

t gosto mt... to orando por vc!

Stella disse...

Como vc fez pra botar música no seu blog? [2]

Stella disse...

Isa aki oh: stelloka_maiseu_sovips@hotmail.com (nao ria huashuashu' eu to começando a fikr com vergonha desse msn huahsuahsu')