sábado, 14 de novembro de 2009

Cactus.

Toda pele é objeto do desejo
O cheiro e o gosto enfraquecem a razão
Sintonia de movimentos
Corpos quase unidos.
Pescoço, boca e mãos se perdendo
Pra encontrar teu encaixe.

Olhos moldando extremidades
saliva quente na epiderme
O controle é quase impossivel :
Um querer de devorar
De traduzir-unir
É pele , mas não é só
Ainda há cuidado , carinho de sobra

Se o desejo permitir
Premedita cada gesto
E se de verdade não houver ninguém além de nós
Deita tua cabeça no meu peito
Não temos hora pra ir
És meu.

Um comentário:

Jones. disse...

Excelente & Aguardado