quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

(d)Efeito.

Um chuva leve e constante caía sobre seus ombros enquanto ela passeava pela velha cidade de Mobille. Tinha saído dali fazia uns anos , pra morar na cidade grande e construir sua carreira de sucesso na Edição de um Jornal conceituado.
Teve, praticamente, visões da infância enquanto se aproximava.
Quantos amores tinha vivido naquela cidadezinha ? Quantas tardes melancólicas? Quantos amigos havia deixado pra trás ...
Viu de longe a casa de seus avós , agora abandonada e empoeirada. Se lembrou que sempre que entrava ali , era recebida com os abraços mais calorosos e o longo sorriso que a maturidade proporciona. Um lanchinho, uma conversa e um conselho. Era sempre assim. Saudade.
Agora que morava sozinha , não tinha mais idea de como era sentar a mesa para almoçar com a família ( mesmo que ela , quando nova , sempre fazia de má vontade ). Mesmo assim , sentia uma falta imensa.
Virou a esquina , lembrou de Philip. O amor mais intenso e mais curto do último verão antes de partir. Ele se vestia estranhamente e seu corte de cabelo , era mutável . Era assim que se lembrava daquele garoto , daquele homem .
Eles costumavam fazer planos de viajar juntos e ter um cachorro grande no quintal quando casassem.
A família dela não aceitava o relacionamento .
Ela decidiu ser sozinha noutro canto , lutar por si . Egoísmo. Talvez ela fosse fraca demais.
Limpou rapidamente uma lágrima que havia escapado do controle , andou mais.
Constatou que ele fora seu amor verdadeiro e agora era tarde demais. Ele estava casado .
Estava quase chegando a casa da mãe.
As lembranças emergiram em seus pensamentos. Era bem sucedida e estava feliz no trabalho.
Nunca mais veria Philip. Desejou , com toda força poder amar mais de uma vez na vida. Precisava esquece-lo.
Era feliz mas precisava , com urgência , ser mais .

3 comentários:

Nany Rabello' disse...

seu blog sempre me inspira, sabia?
O grande problema é qeu 'par' é 'dois', e não o contrário.
♥ saudades

Stella disse...

Será que essa historia tem "to be continued"? Gostei mesmo!
Mas é incrível como tem certas coisas que a gente acha que nem se importa tanto, então de repente quando precisamos voltar, volta a tona tudo que julgávamos superado.

Nany Rabello' disse...

koaslkaosalkksoalska
Vou ouvir sim (y) gosto de algumas letras deles tb.
e os meus comentários..rs' é que eu digito a primeira coisa qeu o seu texto me faz pensar
tentando explicar esse aki... :
se o número dois fosse sempre um par, não haviria problemas em nenhum relacionamento. Mas não é sempre isso qu acontece.
Eu brinquei com os significados de 'par' xD e inverti a idéia.
Se 'dois' sempre fosse' par, tudo estaria sempre certo. Mas como 'par' é que é 'dois'[no sentido de duas pessoas]acontecem interrupições no caminho que deveria ser feliz.
entendeu ou ainda ta confuiso? rs'

saudades de ti também ♥