quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Então

Gosto do silencio. Da força bruta que não mata, não seca, não exige.
Pra saber dividir, encantar e ser.
Do amar sem querer devolução, sem forçar, sem precisar se acabar.
Poder ser voce mesmo , amar-se e poder amar.
Um tanto suficiente de felicidade
Uma pitada de voracidade.
Aquele desejo que consome ,
E sussurra ao ouvido dos mortais que amar é um julgo leve.

2 comentários:

fabioh disse...

q bonita isadora!
vc devia publicar *-*
rs

Liihh Boyd disse...

faço suas minhas palavras!^^