segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Outra vez.

Sou uma frase solta nos teus pensamentos desconexos
Uma falha no teu quase-acerto cotidiano.
Sou a voz que puxa pra baixo e luz intensa que te cega
Sou a lama onde teus pés estão.
Pro sono das noites passadas, o vinho esquecido e quente, agora enfeita teu sono , teus sonhos.
Quando a linha que os une se romper , pensa que foi culpa minha
Sendo assim , livra-se de qualquer responsabilidade
Tua mágoa , tua saudade.
És anjo no mundo de dor , és triste dentro da caixa escura.
E não sabes ainda o que é amor.
Meu bem , aprenda a recomeçar
E saiba que âncora , não são asas para voar.

2 comentários:

Ivan Kolberg disse...

É um belo conselho...
Gosto do que escreve. =)

Stella disse...

=O eu = boquiaberta!