quarta-feira, 10 de março de 2010

544

 Hoje eu entrei no onibus, voltando do trabalho pra casa.
Sentei num lugar vazio no corredor.
Eu via um céu , o sol ainda batendo no rosto 
E a rotina de cada um e de todos se completando no escorrer da horas.
Quando foi que eu me perdi?

A cabeça pesa e voa em pensamentos soltos.
Os olhos de quase todos se fecham, como se fosse uma reverência ao esperado fim do dia.
Quando foi que eu te perdi?

Nada em volta, ônibus cheio.
Nada por dentro, estou cheia da tua falta
Me lembrando do trabalho que ainda restou em cima da mesa
E de tantas cartas que escrevemos, mas ainda estão na manga.

Me atira tuas palavras, rasgando as entrelinhas com meu nome.
E essa rotina me lembra bem
Do descanso merecido de quem, assim como você, enfrenta a vida de frente.

Porque quando penso que ainda dói, mesmo sem razão
Lembro que o amor cura.
E eu te amo.

Um comentário:

Stella disse...

Que lindo... *-* E isso do onibus, nao é que é verdade!? rs'
Lindo texto, assim como outros seus! É sempre um prazer ler seus textos ^^