segunda-feira, 19 de abril de 2010

Não pode ser

Hoje eu não tenho saída.
Hoje eu quero, quero me perder em você 
Tuas curvas, tuas letras, teu nome.

Hoje, amor? Hoje não da pra ser. 
Preciso ir.
Mas eu quero, quero me encontrar com você.

Me liga, me procura 
E eu sei que nunca vai acontecer.
Essa droga de vida injusta 
E eu , eu só faço te querer. 

Lembra de mim, finge que se importa 
Me escolhe, me acolhe no teu colo apressado (em ir embora)

Só tô brincando de ser idiota, boba 
Achando mesmo que o amor merece 
O fingir, o querer, o ser 
Ser pra sempre 
Ser só de você.

6 comentários:

Ella disse...

Uôl!!!! O.o

Ella disse...

Eu fiquei sem oq dizer realmente depois deste texto!

Fabiane disse...

às vezes parece que o amor é um joguinho, uma simples brincadeira, né?
Poéticamente fica muito mais bonito quando visto desse jeito, na prática fica mais doloroso.
Beijo

Ella disse...

Cara Isadora (gostei de falar assim! ^^) no meu primeiro namoro, o passado ficou muito presente e me influenciou, mas quando eu experimentei novamente o meu passado, já nao combinava mais! E eu que vivia muito de passado ( me sentindo um museo) abandonei de vez... Dessa vez, havia interesse das duas partes no passado. Mas não aconteceu nada. Agora quando ele retorna, mesmo tendo uma leve curiosidade, não é suficiente pra me fazer abandonar o que estou vivendo agora. Fora que seria errado por parte dele e por parte minha. Já que os dois estão comprometidos.

Ella disse...

E quanto ao seu sentir-se feliz ao errar, às vezes, errar torna-se o certo. xD

Lee disse...

O amor é lindo!
mas machuca as vezes...