segunda-feira, 27 de setembro de 2010

O rock não acabou.

Essa semana eu tive a oportunidade de ir a um show do Titãs. Cheguei meio sem vontade, até porque nunca fui fã de carteirinha dos caras. Mas aquele plano de fundo que eu adoro, com luzes em neon pra ofuscar a vista e os caras de oculos escuros, roupas preta , fazendo o rock de verdade... me fez mudar de opinião.
Eu denominaria: "o que sobrou do rock nacional" (e isso fez uma galera discordar de mim ferozmente , rs). Mesmo não tendo todos os álbuns, não sabendo todas as letras, (ou quase nenhuma), não da pra negar a estrada deles. As várias faces: as vezes mais romântico, menos reggae, meio sujo ... Metamorfoticamente alterado, sem trocar a estrutura principal, sem deixar o nosso bom e velho rock morrer.
As músicas de crítica, as de amor, as da vida ... Todas bem embaralhadas, nos bons riffs de guitarra, solos de baterias, vozes fortes e grandes nomes da música.
Cara, o rock 'n' roll nacional, ele ainda existe!
Ok, não sou a pessoa mais indicada pra falar deles. Tem gente que saberia desenhar infinitas frases sobre a raridade desse som. Sei lá. Mas esse show me fez materializar que o que está nas paradas de sucesso pode não ser realmente bom. E a banda de anos atrás, pode ser infinitamente melhor. Rockmente, falando.
Peguei a SET list e voltei pra casa meio extasiada. Assim que a minha rotina me deixar respirar, pretendo ter todas as musicas do show no meu MP3 (sim, eu sou pobre).

E viva o rock and roll.

O Titãs merecia um post melhor, mas tempo é uma coisa que eu não tenho.
Então vai esse mesmo.

2 comentários:

Alan Salgueiro disse...

Relato de empolgação e sinceridade! Mas acima de tudo mostrou que os canais de percepção estavam abertos: notou as fases sendo passadas, como disseste: a oitentista meio ska-reggae, a de 90 bem visceral com canções cruas de protesto até chegar na atualidade.

Se soubesse que você ia ficava perto de ti pra ir fazendo comentários durante cada música, usaria meu conhecimento historico musical para algo... hahahaha...
Acabou que não fiquei exatamente num só ponto. De acordo com o que o show ia esquentando eu ia avançando!

Ah, se precisar da discografia completa é só falar, aqui tem um admirador de longa da banda!

Jones. disse...

Olha, vou dizer
Eu realmente gosto de muita coisa, e a cada mes, semana, e bla bla bla eu abro meu coração pra ouvir coisas novas. não sou borracha fraca: bato o pé e tenho meus preferidos, mas não abro mão de experimentações.
Contudo reconheço que ainda não há no Brasil uma banda que se equipare aos Titãs. Não faço argumentos tecnicos porque isso ai é coisa de quem bota o pau na mesa pra ficar medindo com regua. Quer excelencia musical? Passa então sua vida ouvindo Chopin, hahah.
A força dos Titãs está no que eles são: uma banda de rock. Uma puta banda de rock onde voce pode recorrer desde o experimental ao peso fudidão.
Já são quase tres decadas de historia e firmeza. Nessas tres decadas, consigo separar tres grandes trilogias:
-Trilogia Corações & Mentes
-Trilogia Raiva & Rancor
-Trilogia Tiozão-Rock
sem contar aquela mais inusitada (que poderia ser a trilogia acustica).
Enfim, Titãs é a melhor e maior banda do Brasil. de fato lhes faltam a comoção de uma Legião Urbana, e o jeito erudito de um Engenheiros do Hawaii e ainda a excelencia tecnica de um Ultraje. Todos muito bons, mais ainda não estão na complexa malha que estão os Titãs, aquela que envolvem o mitos rock que convertem grandes cabeças e grandes ideias em musicas simples.De fato, se pergunte rapidamente e tente enumerar uma lista de grandes riffs nacionais. Obviamente Titãs vai ter ao menos duas posições.
Acho que está um tanto extenso já, então vou parando. Estou alvoroçado porque consehui o disco de 91, mais um pra minha coleção. Logo terei todos, eu espero.
Acho que o poder do Titãs pode ser resumido no Toni empunhando a guitarra.